Grant Gustin costumava ser o homem mais rápido do mundo. Ele finalmente está aprendendo a desacelerar

GRANT GUSTIN PODE ter interpretado um super-herói na TV por mais de 180 episódios, mas nem sempre se sentiu como um. Conhecido por seu papel como Barry Allen – o nome de nascimento do Flash, o velocista escarlate da DC que está percorrendo as páginas de quadrinhos desde 1940 – Gustin parece ser a escolha perfeita para aparecer nas páginas do Men’s Health.

Ele estava claramente envergonhado com seu tamanho, descrevendo-se como um garoto muito magro no início da série em 2013. (Gustin apareceu em dois episódios de Arrow da CW antes de lançar seu próprio spin-off). Isso levou a produção a contratar um treinador e um treinador de sprint – mesmo que você não esteja realmente quebrando a barreira do som, convencer a forma de corrida ainda é de extrema importância – para deixá-lo na melhor forma possível. Infelizmente, os dias de trabalho de 16 horas levaram à exaustão, o que o levou na direção oposta à de como seria a aparência de um super-herói musculoso, adequado para uma publicação fitness.

“Minha bunda estava levando um chute”, diz ele sobre a evolução de seu corpo de Flash, antes de explicar por que agora ele sente a confiança que lhe faltava há mais de uma década. “Eu simplesmente parei de treinar e fiquei cada vez mais magro nas primeiras cinco temporadas.”

The Flash, de Gustin, era cheio de ação (pow!), Apresentava todos os tipos de velocidade elétrica (boom!), E gerou instantaneamente uma enorme e devotada base de fãs online. De certa forma, ele gritava masculinidade musculosa – pelo menos para o público que desejava ser igual ao seu super-herói favorito. Mas Gustin não sentiu o que eles sentiram. Ele sentiu como se seu corpo estivesse preso e as coisas continuassem a girar na direção errada.

“Eu não cuidei bem de mim mesmo”, diz ele. “Eu não estava controlando bem minha ansiedade e estresse e estava apenas trabalhando muito, muito duro.”

Ele acabou encontrando inspiração para fazer uma mudança em um lugar inesperado – sendo preso durante a pandemia de COVID-19 em 2020. Foi uma oportunidade para fazer uma pausa, reavaliar sua vida e seus hábitos e fazer algumas mudanças em seu bem-estar físico e mental que ele vinha pressionando há muito tempo.

“Comecei a me exercitar muito entre as temporadas”, diz ele. “Ganhei 9 quilos de músculos só porque tive tempo de treinar. Desde então, já se passaram quatro anos.”

Desde então, Gustin teve uma filha (com outro filho a caminho) e pendurou seu traje vermelho escarlate. Hoje em dia, ele trocou seu heroísmo de super-herói por uma vida na Broadway como protagonista em sua atuação de estreia como Jacob Jankowski na adaptação musical indicada ao Tony de Water for Elephants (que era originalmente um romance e um filme estrelado por Robert Pattinson em 2011).

É um trabalho emocionante, exigente e um pouco repetitivo que envolve oito shows por semana. Mas embora a ideia de bagunçar não seja apenas desconfortável para Gustin, ela ajuda a acender um fogo todas as noites no cara que anteriormente detinha o título de homem mais rápido da DC.

“Viver no limite é o que é emocionante”, diz ele. “Você é tão vulnerável. O meio não é tão importante para mim quanto ser atraído pelo personagem e pela história. É uma das razões pelas quais eu quis fazer isso – não foi bom apenas para mim como ator, mas para meu crescimento contínuo como pessoa.”

Antes de voltar para casa para tirar uma soneca bem merecida – afinal, aqueles dias na Broadway são longos – Gustin sentou-se com Men’s Health (finalmente!) Para falar sobre seu legado em The Flash, preparação física e mental e o que vem depois da Broadway.

MEN’S HEALTH: Você acha que a “preparação” para um papel é sempre semelhante, não importa quem você esteja interpretando?

GRANT GUSTIN: Minha abordagem é sempre encontrar uma maneira de trazer o máximo possível de mim mesmo, e qualquer que seja a verdade para mim, e a emoção que sinto surgir quando leio algo, apenas siga em frente. Acho que não coloquei muita pressão sobre mim mesmo.

Tenho síndrome do impostor toda vez que consigo um emprego, então tento confiar que fui contratado por um motivo e também tento me lembrar que só posso ser eu e não posso ser mais ninguém. Sou o único que pode trazer para a mesa o que tenho a oferecer.

MH: Quando você foi escalado para o papel do Flash, houve algum pensamento de ‘Não sei se quero que este seja meu legado?’

GG: Isso nunca passou pela minha cabeça. Quer dizer, eu tinha 23 anos quando fiz o teste para aquele programa e pensei que não teria chance de conseguir. Eu nem queria ir ao teste. Eu pensei, ‘Isso é uma perda do meu tempo e do tempo deles.’ Nos quadrinhos, dizia que ele tinha vinte e poucos anos e trinta e poucos anos.

Ele é grande, musculoso e loiro nos quadrinhos. Eu estava tipo, ‘Por que eles estão me vendo?’ Eu tive a síndrome do impostor por ter ido àquela audição. A ideia de ‘Eu quero isso?’ nunca passou pela minha cabeça. Isso foi semelhante a fazer agora Water for Elephants – além de um sonho ter se tornado realidade. Conseguir interpretar um super-herói algum dia não era algo que eu poderia ter sonhado.

MH: Abordamos a fisicalidade dos papéis que você desempenhou. Do ponto de vista mental, como você vence a monotonia? Water for Elephants pode ser diferente a cada noite naquele palco, mas como você supera o pensamento de ‘estou cansado de fazer isso’?

GG: The Flash foi o trabalho mais legal do mundo, e Water for Elephants é um sonho que se tornou realidade. Mas já fiz 55-56 apresentações. Fica chato. E interpretando The Flash, fiz mais de 180 episódios mais crossovers – ou seja, mais de 200. E houve dias em que eu não queria fazer isso.

Mas também houve muitos dias em que tive plena consciência de como era divertido e de como tive sorte. Uma coisa que fiz bem em me lembrar durante as últimas temporadas de The Flash, sabendo que estava mais perto do fim do que do começo, foi focar um pouco no micro também, onde é tipo ‘Eu rio todos os dias’. Estou sorrindo e me divertindo com os amigos todos os dias. Estou vestindo uma roupa de super-herói todos os dias, independentemente de quão desconfortável possa ser. Eu era melhor em me concentrar nas pequenas coisas que me faziam feliz. E é mais fácil agora com isso, porque só estou fazendo isso por um curto período de tempo, e é melhor aproveitar enquanto está acontecendo, porque vou olhar para trás e sentir falta.

Estou mais velho, mais maduro e posso apreciar as coisas de maneira diferente agora.

MH: As portas estão fechadas para algum personagem que você já interpretou antes? Assinar um contrato plurianual é um compromisso muito grande agora com outros projetos que você pretende realizar no futuro? Eu sei que todos os meios de comunicação estão percebendo suas DMs inocentes com James Gunn.

GG: Olha, não há portas neste momento que sejam fechadas para mim de qualquer forma. E é por isso que eu disse o que disse sobre James Gunn. Eu amo os filmes dos Guardiões, adoro o que ele fez, mas a frase de efeito que está sendo ouvida em todos os lugares…

MH: Estava falando como fã sobre o Superman.

GG: Sim. Eu me apaixonei pelo Superman por causa de Christopher Reeve. Eu adorava esses filmes quando criança e continuei fã do Superman durante toda a minha vida por causa desses filmes. Quando Brandon Routh era o Superman em Superman: O Retorno, eu tinha 16 anos e tinha acabado de tirar minha carteira de motorista. Dirigi até a estreia da meia-noite para vê-lo, com as insígnias do Superman em giz no meu carro.

Não sei se ele já estava me seguindo ou não, mas simplesmente mandei uma mensagem para ele e disse: ‘Mal posso esperar para ver o que você faz com isso.’ Então ele me respondeu e então, sim, ele disse que me achava talentoso e disse que adoraria trabalhar comigo algum dia, o que é uma coisa muito legal de se dizer.

MH: Não houve contrato, suponho.

GG: Sim, isso não aconteceu. [E] não sei o que vem por aí na minha carreira. Eu tenho uma família; Tenho um segundo filho a caminho. Tenho coisas para cuidar.

MH: Com esse tipo de carreira, como você se sente confortável com a falha?

GG: Conforto não é algo que me atrai necessariamente. E agora, ficar um pouco desconfortável é algo que procuro ativamente. Foi uma das razões pelas quais quis fazer Water for Elephants. Eu sabia que queria subir no palco. Queria fazer uma peça direta, porque tinha medo de cantar, e agora não vou fazer só uma vez. Estou fazendo oito shows por semana por um longo período de tempo, e você sabe que vai cometer erros. Você vai estragar tudo.

Eu vi The Boy From Oz no Imperial, e Hugh Jackman já era Wolverine naquela época; ele estava interpretando um personagem completamente oposto e ele era incrível. E esse ainda é um dos meus modelos até hoje. Eu quero conseguir fazer tudo. Quero fazer musicais na Broadway, peças na Broadway, filmes de grande estúdio, indies e TV. Espero ter a sorte de ter uma fração da carreira que Hugh teve, e espero fazer tudo isso até o dia de minha morte.

MH: Existe algum tipo de preparação para errar? Você está atuando tanto que isso vai acontecer. Como você acerta sua mente para esses erros inevitáveis?

GG: Você é tão vulnerável. Eu quebrei. Eu estraguei as letras duas vezes, e isso aconteceu com todo mundo que desempenhou um papel principal neste show onde é tipo, ‘Oh, merda.’ Seu cérebro simplesmente te deixa por um segundo, e você só precisa voltar. Isso é honestamente mais assustador do que quebrar. Porque você fica tipo, ‘O que eu faço?’ Em uma cena, se você esquecer uma fala ou errar, depois você simplesmente segue em frente e tenta voltar ao caminho certo.

Mas é tão fácil deixar isso estragar o resto do seu show. É como, ‘Agora esse público vai sair pensando que eu sou péssimo.’ Mas há alguns momentos muito emocionantes no show, e estou cantando, e se precisar, posso dizer, ‘Ah, não, esse foi o som do meu choro.’ Às vezes há algo em que você pode recorrer.

MH: E se você acordar e pensar: ‘Minha saúde mental não está lá.’ Ou: ‘Estou tendo um dia ruim, não acredito que tenho que me levantar e fazer isso’. O que ajuda você a superar essa luta?

GG: Às vezes é literalmente dar um passo de cada vez. Você tem que fazer. Medito brevemente antes de cada show, o que faz parte da rotina que me ajuda a me firmar. Também me lembrou que, como ator diante das câmeras ou no palco, você perderá o foco. Sua mente vai vagar. E é meditar nesse sentido, onde você tem um cérebro e é humano e isso vai acontecer. Apenas concentre-se brevemente na respiração ou volte o foco para o rosto da pessoa à sua frente no palco.

Acho que quando mais luto é quando estou pensando em um dia no passado, ou em um dia no futuro, como todos nós. Ansiedade é isso. Eu apenas tento me concentrar em estar presente e voltar ao momento presente.

MH: Você disse recentemente que Jesse L. Martin, seu ex-colega de elenco de Flash e veterano da Broadway, ligou e disse: ‘Aposto que você tem um tanquinho agora, cara. A Broadway dá a você um tanquinho! Sem levantar a camisa, há alguma validade em um ‘tanquinho da Broadway?’ Como é sua rotina de exercícios agora?

GG: Em casa, minha rotina é minha filha dormir às 7h30, 8h. Quando não estou trabalhando é quando vou para a cama.

Ou assistimos a um filme, ou lemos, ou algo assim, e eu durmo às 10h. Muitas vezes, acordo às 5h ou 5h30 para ficar acordado algumas horas sozinho. Vou treinar ou jogar videogame, apenas faço algo só para mim. Não consigo fazer isso desde que cheguei aqui [na cidade de Nova York].

Eu estava muito cansado fisicamente e também percebi que dormir seria muito importante para minha qualidade vocal. Então, por dois meses eu só tive que pensar: ‘Não vou treinar. Eu simplesmente não posso. Eu estava tipo, ‘Tudo bem, vou priorizar minha família, minha saúde mental e minha saúde vocal, e simplesmente não consigo treinar agora.’

Mas desde a abertura, voltei a treinar três ou quatro dias por semana. Cinco ou seis é minha meta, mas só preciso pegar leve comigo mesmo e ficar bem, pois talvez em algumas semanas seja uma, duas ou três.

Ben Bruno é um dos meus grandes amigos e personal. Ele treina Justin Timberlake. Ele treina muitos atletas e odeia ser chamado de personal de celebridades, porque isso o faz sentir que não é um personal de verdade. Mas ele trabalhou tanto para ter a clientela que tem. Ele me configurou seu aplicativo antes de vir para cá, porque ajuda a criar meus próprios treinos. Posso simplesmente dizer: ‘Tudo bem, é isso que estou fazendo hoje’.

MH: Nós já cobrimos um monte. Você tem sido um grande super-herói. Você é um protagonista na Broadway. Em vez de perguntar o que vem a seguir, estou mais curioso para saber se chegará um ponto em que você se sentirá satisfeito.

GG: Ah, nunca. Não em um grau prejudicial à saúde. Andrew Garfield é um dos meus atores favoritos, e eu o vi dizer algo nesse sentido recentemente: ele nunca ficará satisfeito. Não quero destruir o que ele disse, mas ele acha que está tudo bem. Porque é isso também que o mantém como ator e o que o motiva. E eu sinto isso.

Eu não sabia se algum dia me sentiria contente ou que tipo de conforto sinto agora com minha família. Quero dizer, seu coração também está fora do corpo agora, como dizem, o que é verdade. É o tipo de amor mais assustador ter um filho e sua esposa se tornar mãe. É como se tudo se tornasse muito mais precioso, importante e assustador.

The Flash nem era algo que eu poderia ter sonhado, e agora estou fazendo algo que era meu sonho. Isso é o que eu me lembro. É tipo, olha, se eu consegui fazer as coisas que já fiz, quem pode dizer que não posso fazer nenhuma das outras coisas que sonho fazer um dia? Por que não acreditar que sou capaz?

Não sei se algum dia ficarei totalmente satisfeito – mas acho que essa é uma boa resposta para se ter.

Fonte: Men’sHealth

Tradução e adaptação: Grant Gustin Brasil