A estrela de The Flash, Grant Gustin, provoca a reunião “pesada” de Barry e Raio Negro em Armageddon

Depois de mais de um ano sem um crossover do Arrowverse, The Flash está iniciando sua oitava temporada com um evento de cinco partes em que Barry Allen recruta vários rostos familiares para ajudá-lo a lutar contra o alienígena Despero (Tony Curran). Além de contar com Jefferson Pierce de Williams, a história contará com Ryan Wilder de Batwoman (Javicia Leslie), Átomo de Legends of Tomorrow (Brandon Routh), Mia Queen de Arrow (Katherine McNamara),  Sentinela de Supergirl (Chyler Leigh) e Osric Chau como Ryan Choi. Mas tenha em mente que este não é um crossover. É algo diferente.

Abaixo, a EW conversa com Gustin sobre se juntar a Williams novamente, retornar à Sala de Justiça e muito mais.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Como “Armageddon” se compara ao típico crossover do Arrowverse?

GRANT GUSTIN: Foi legal porque tudo aconteceu em casa, o que foi um pouco mais conveniente para o elenco e a equipe de The Flash. Não estávamos fazendo malabarismos com tantos cronogramas de produção diferentes. Porque era apenas uma história contínua em Flash, era quase como um recurso em comparação com muitos outros crossovers que fizemos, onde as vibrações são constantemente diferentes indo para outros sets e outras equipes e scripts diferentes. Todos esses scripts foram escritos por [Eric Wallace, showrunner] e nossos escritores. Parecia nossa versão de um pequeno recurso de Flash. Foi um pouco mais fácil de equilibrar porque era tudo programado em Flash e estávamos convidando todos esses outros hóspedes legais para nossa casa.

Qual foi a interação mais legal de Barry com um dos muitos convidados?

Minha coisa favorita, e para não desacreditar mais nada, é que tenho muitas cenas muito legais, muito do início de “Armageddon”, com Cress como Jefferson de Raio Negro. Nós tivemos, eu acho, três dias cheios de trabalho, mas foi muito o que tivemos nesses três dias. Foi tudo no set da Sala da Justiça, que é um local legal neste campo de aviação. Foi uma filmagem diurna que levou a duas filmagens noturnas. Foi apenas uma experiência de filmagem legal, mas também acho que algumas das melhores cenas pesadas que tive nos primeiros três, quatro episódios. Portanto, estou ansioso para ver como eles acabarão. Eu sei que nos divertimos filmando eles, e havia muitos elementos diferentes nessas cenas.

Cress me disse várias vezes o quanto adorava trabalhar com você em “Crises” e que estava ansioso para fazer novamente, e parece que o sentimento é mútuo. O que você mais gosta em trabalhar com ele?
Em primeiro lugar, ele é um cara muito legal e está no ramo há muito mais tempo do que eu. Eu adoro trabalhar com caras assim, que têm coisas que podem compartilhar comigo, e há muito que posso aprender com alguém assim. Não apenas no ofício [de atuar], mas como ele se comporta nos negócios, se comporta no set. Eu apenas me divirto conversando e trabalhando com ele. Mas ele é um ator muito sério, bem preparado e bom. Eles nos dão um material muito bom, e ele aparece pronto para ir. É muito divertido. É diferente de qualquer outra dinâmica que tenho no show. É especial porque é diferente. Eu acho que é mútuo, mas nós realmente gostamos de trabalhar um com o outro.

O que torna a dinâmica de Barry e Jefferson diferente?

Ele é um herói baseado em raios, o que não é incrivelmente diferente dos poderes de Barry. Barry tem essa conexão com a Força de Aceleração, que é obviamente diferente dos poderes de Jefferson. Mas toda a razão pela qual Barry vai até Jefferson durante o “Armageddon”, de cinco partes, é por uma razão muito específica, pelos poderes que Jefferson tem. Ele precisa dele especificamente para ajudá-lo a conseguir algo que é uma espécie de reviravolta sombria, eu acho, no segundo episódio.

A introdução do conjunto da Sala de Justiça foi muito emocionante. Como fã do Super-Homem e de quadrinhos, como se sentiu ao voltar para lá?

Isso foi legal. Também foi agridoce porque, enquanto estávamos lá, pensávamos: “Cara, não estamos aqui com todo mundo.” Supergirl está terminando. Foi quase triste porque era lá que nosso time se juntou, e ainda não fizemos isso. Espero que possamos fazer isso de alguma forma, mas foi legal estar de volta com Cress. Temos muita ação acontecendo no set. Nós apenas temos boas cenas em geral que acontecem no set. Mas é uma sala legal para filmar. É um hangar funcional da vida real para pessoas que trabalham em aviões.

Como estão as coisas para o casamento de Barry e Iris [Candice Patton]?
Eles estão indo bem. Quando captamos, todos estão em um bom lugar. Podemos vê-los tendo um pequeno jantar romântico em casa que é comedicamente interrompido por uma de nossas estrelas convidadas que aparece, mas eles estão em um bom lugar. Ainda estamos recebendo sinais de que eles gostariam de começar uma família e seguir em frente com suas vidas. Mas a chegada de Despero e tudo mais meio que atrapalham tudo isso. Iris ainda está lidando com seu enjôo, e Barry não está ciente disso neste momento. Isso é uma coisa que Iris está fazendo e que começaremos a ter dicas.

Finalmente, Barry teve um relacionamento muito próximo com Oliver [Stephen Amell]. Como você descreveria a dinâmica dele com a filha de Oliver, Mia [Katherine McNamara]?

Eu não diria que ela meio que substitui a dinâmica de Oliver de forma alguma. Ela é um personagem muito diferente de Oliver. Eu amo a visão de Kat sobre a personagem; ela é um pouco durona e corajosa. Eles são bons companheiros de equipe, e ela trabalha muito com toda a equipe, na verdade, quando ela aparece no programa e se encaixa bem com a gente. Grant e Kat estão provavelmente mais próximos neste ponto do que Barry e Mia, só porque não os vimos desenvolver esse relacionamento diante das câmeras da maneira que Stephen e eu tínhamos anos e anos para fazer.

Fonte: Entertainment Weekly

Tradução e adaptação: Grant Gustin Brasil