Barry e Iris estão correndo em direção a um enorme confronto emocional quando finalmente The Flash retorna de seu hiato de um mês.

Quando nos deparamos pela última vez com o rápido drama de super-herói, Barry (Grant Gustin) estava se preparando para usar o diário de Nora para construir uma força de aceleração superficial, você sabe, depois de acidentalmente matar a original quando ele entrou usando o poder do Espectro durante “Crise nas Infinitas Terras.” Como se isso não bastasse, ele ainda não sabe que Iris (Candice Patton) está presa no Espelho e foi substituida por uma Espelho-Iris, que é controlada por Eva McCulloch (Efrat Dor). Como você pode adivinhar, tudo isso vai criar alguns grandes problemas para o casal principal do show.

Abaixo, EW conversa com Gustin sobre o crescente conflito entre Barry e Iris, o nascimento de uma Força de aceleração artificial e muito mais.

Entertainment WEEKLY: Barry está construindo sua própria força de aceleração baseada no diário de Nora. Como é esse processo está indo quando The Flash retorna?

Grant Gustin: Eles não são necessariamente bem sucedidos fora dos portões, mas Cisco está ajudando muito. [Barry] está usando este medidor de velocidade que Caitlin e Cisco desenvolveram para ele, porque enquanto isso ele tem que ter certeza de que não está esgotando sua velocidade de uma maneira muito rápida, então eles estão tendo que monitorar de perto quanta energia ele está usando enquanto eles desenvolvem esta Força de aceleração artificial. Eles vão lutar com ele em um monte de episódios antes de encontrar uma maneira de realmente fazê-lo funcionar, por isso é meio difícil para eles.

Há algum tipo de perigo em usar as anotações de Nora que são baseadas nos ensinamentos de Thawne?

Acho que sempre há o perigo de usar qualquer coisa que Thawne está nos dando, com certeza, só porque há o elemento de confiar nele ou não, confiar em suas informações. Mas também há o elemento da viagem no tempo e usar algo do futuro para nos ajudar a construir algo no presente, mas Barry quer tanto a Força de aceleração que ele está disposto a ignorar esses perigos por enquanto.

Isso traz à tona alguma das dores persistentes de Barry em torno da morte de Nora?

Você sabe, nós não tocamos muito nisso. Acho que se há alguma coisa, ele se sente conectado a ela por ser capaz de usar o diário para ajudar a obter o que eles precisam neste momento. Neste ponto, eles ainda estão tão focados em tantos objetivos diferentes e obter Iris de volta do universo do espelho, obter a Força de aceleração artificial para trabalhar que não há nenhum tempo extra para continuar de luto neste momento.

A morte da Força de aceleração resultou em você ter que correr menos no set?

É engraçado, eu acho que inicialmente para um episódio, mas eu me vi correndo mais por não ter a velocidade real e não fazer o formato de efeitos especiais em execução. Sempre que me viam correndo, o que foi um monte de vezes, eu só estava correndo em uma velocidade possível. Então, nós realmente temos corrido um pouco ainda, mesmo que eu não tenha meus poderes neste momento.

Quando falei com Eric Wallace, ele disse que esta temporada está indo para alguns momentos difíceis para Barry e Iris. O que você pode compartilhar sobre isso a partir da sua perspectiva?

Barry é a primeira pessoa a eventualmente começar a suspeitar que há algo acontecendo com Iris e meio que confrontar e trazer isso a tona, o que resulta em alguma tensão e um confronto muito grande em um ponto. Vamos ver uma grande briga entre Barry e Iris, e a relação deles vai mudar drasticamente só por causa desse elemento Espelho-Iris.

Isso parece diferente de qualquer outro conflito que vimos de Barry e Iris antes. Como tem sido para você e Candice estarem dentro disso? Descobriram algo novo?

Eu acho que a parte mais nova disso é que eu a vi muito menos na segunda metade da temporada apenas como a real Iris por estar no universo do espelho e a Espelho-Iris estar no mundo real e ser tão decidida em seus objetivos. Nossas histórias foram muito isoladas e quando interagimos, tem sido estranho. Primeiro, quando começamos a ver as mudanças no episódio de Dia dos Namorados, isso foi muito divertido porque o Barry ainda não percebeu. Ele está sentido o cheiro de “isso é meio bizarro”, mas tivemos um monte de oportunidades para uma dinâmica diferente entre Candice e eu que foi um pouco divertido, estranho, e estranho só porque Iris era tão diferente. Então enquanto isso continua e Barry começa a suspeitar sobre o que está acontecendo, é a primeira vez que realmente vemos que não estamos conseguindo nos entender, estamos em páginas diferentes. Ela tem um objetivo muito específico que Barry não está ciente e Barry realmente quer chegar até ela e entender o que está acontecendo, mas não é realmente Iris, então nós vemos eles batendo cabeça de uma maneira que nunca vimos no passado. Tivemos uma cena de luta em particular – não luta de combate, mas uma luta emocional entre os dois – que foi definitivamente diferente de qualquer outro conflito Barry-Iris que tivemos no passado. Então é definitivamente divertido fazer uma dinâmica diferente com Candice.

Parece que os roteiristas tem jogado muito mais em você nesta temporada. Sente-se assim do seu lado?

Sim, foi divertido. Eles também expandem a carga de trabalho mais e mais a cada ano. Eles têm sido ótimos com isso. Você sabe, dando a Danielle e Carlos mais trabalho, Candice mais trabalho. Então, temos todos os nossos novos personagens vindo com Chester e Camilla e Allegra. Todo mundo teve momentos diferentes para brilhar à sua maneira. E Tom, é claro. Jessie tem suas próprias coisas isoladas acontecendo e Dani. Então, foi bom que todos tenham tido seu tempo. Mas para mim, quando eles me dão um episódio pesado, tem sido divertido e diferente, e eu tenho sido desafiado de diferentes maneiras este ano, o que é sempre bem-vindo. Eles sempre sabem que eu amo ser atingido com um diálogo forte e trabalho extra quando eles querem me dar um grande enredo. Então, definitivamente tem sido uma temporada divertida e diferente. Ou foi, acho que ficou para trás agora, por enquanto.

Qual foi o desafio mais excitante até agora?

Nesta temporada foi “The Last Temptation of Barry Allen, Part 1”, que Chad Lowe dirigiu. Essa foi uma das mais divertidas que tive em anos no programa e o mais nervoso e assustador que tive em todos os dias de set. Eu me senti muito preciosista sobre isso, realmente queria fazer direito. Eu acho que visualmente, ficou incrível. Nosso DP Brenton naquele episódio fez um ótimo trabalho, Chad fez um ótimo trabalho e os escritores me deram algo diferente de qualquer outra coisa que eu tive no programa. Fiquei muito grato por esse roteiro.

Eric disse anteriormente que esta é a história mais louca que o Flash fez até agora. Concorda com essa avaliação?

Sim, fizemos um monte de coisas loucas no show. Eu nem vi o que deveria ter sido nosso roteiro final ainda, mas apenas este mestre do espelho e o fato de que eles fizeram dele uma mulher, Efrat Dor destruiu isso. Ela é uma atriz muito, muito séria e sempre aparece pronta para ir. Ela trouxe um elemento diferente para o show que nunca tivemos antes, e eu não consegui trabalhar com ela tanto quanto eu gostaria. Candice trabalhou com ela o suficiente e estava cantando por aí seus louvores antes de eu conhecer Effie. Ela traz algo diferente para o show, com certeza. A dinâmica de Iris e Barry é algo que nunca lidamos. E Barry perdendo sua velocidade, não como quando perde a velocidade por um episódio e recupera no final. O verdadeiro conflito de esgotar e saber que a culpa é dele por suas ações durante “Crise” e ter que lidar com isso – há muitas coisas acontecendo que são diferentes de elementos com os quais já lidamos antes.

 

Fonte: Entertainment Weekly

Tradução e adaptação: Grant Gustin Brasil